Nossa missão é o ser Porto Seguro do Empresário
Planejamento Tributário
Revisão de Contratos Bancários
Direito do Trabalho
Recuperação Judicial
Direito Empresarial

Noticias Juridicas

Suspenso processo sobre danos ambientais em Itaipu para assinatura de acordo

A Ação Cível Originária (ACO) 1907, ajuizada no Supremo Tribunal Federal (STF) pelo Ministério Público Federal (MPF) para questionar danos ambientais causados pela empresa hidrelétrica Itaipu Binacional e não fiscalizados pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), foi suspensa por 180 dias, por decisão do ministro Marco Aurélio. A intenção do relator é dar tempo para que os Estados brasileiro e paraguaio possam firmar protocolo adicional que contemple regras de proteção ambiental a serem seguidas pela usina. De acordo com o MPF, entre 1999 e 2001, a Itaipu Binacional teria causado danos irreparáveis ao meio ambiente ao rebaixar o nível do reservatório da usina e utilizar agrotóxicos na vegetação do Rio Paraná, lago de Itaipu e demais afluentes. Já o Ibama teria descumprido seu dever de fiscalizar as atividades da empresa. A ação pede a condenação da usina para que se abstenha de rebaixar o nível do reservatório e de aplicar defensivos agrícolas, bem como a condenação do instituto a exigir e fiscalizar realização de Estudo de Impacto Ambiental (EIA). Além disso, pede a condenação da Itaipu e do Ibama para que sejam ressarcidos os danos ambientais já causados. Em sua decisão, o ministro lembrou da singular configuração jurídica da Itaipu Binacional, empresa criada e regida por Tratado Internacional firmado entre Brasil e Paraguai. De acordo o relator, no julgamento da Reclamação (RCL) 2937, ele mesmo já havia apontado que “toda ingerência brasileira no regime jurídico de Itaipu seria violadora da soberania do Paraguai e, assim, surgiria o interesse na intervenção processual”. Esse, inclusive, foi o motivo de o ministro ter determinado a inclusão da República do Paraguai nesta ACO, em fevereiro de 2013. Essa configuração singular, contudo, prosseguiu o ministro, não pode implicar verdadeira imunidade da empresa às normas jurídicas brasileiras, principalmente quanto às regras e princípios sobre proteção ambiental, “bem jurídico caro à sociedade e ao constituinte originário, que a ele dedicou um capítulo do Texto Maior”. O ministro revelou não ignorar os esforços da hidrelétrica em matéria de preservação ambiental – reconhecidos internacionalmente –, mas salientou que a questão, fundamental para a sociedade brasileira não pode ficar adstrita à boa vontade dos gestores. “Urge o estabelecimento de regras que vinculem os administradores da empresa para o futuro”. Com esses argumentos, o ministro decidiu suspender o curso do processo por 180 dias, “a fim de possibilitar aos Estados brasileiro e paraguaio a promoção de gestões diplomáticas no sentido de firmarem protocolo adicional ao Tratado de Itaipu que contemple as regras de proteção ambiental a serem seguidas pela usina no desempenho das atividades”. Leia mais: 13/02/2013 - Ministro determina inclusão do Paraguai em ação sobre a usina de Itaipu
19/06/2017 (00:00)
Rua José Alexandre Buiaz  , 300  , Ed. Work Center, Sala 902
-  Enseada do Sua
 -  Vitória / ES
-  CEP: 29050-545
+55 (27) 3222-5354+55 (27) 988773545
© 2017 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia